x Fechar
  • Creio na liberdade, esse vínculo entre o homem e a eternidade, essa condição indispensável para situar o ser à imagem e semelhança de seu criador.
  • Fazer política é uma coisa muito simples, apesar de muitos pensarem o contrário. Para mim, política é cultivar os valores da verdade, da liberdade, da honestidade e do caráter.
  • Não me venham falar em adversidade. A vida me ensinou que, diante dela, só há três atitudes possíveis: enfrentar, combater e vencer.

O desafio de ser presidente

Discurso pronunciado pelo Senador Mario Covas na Sessão do Senado do dia 28 de Junho de 1989

 

Senhor Presidente, Senhores Senadores: Encerra-se o ciclo das convenções partidárias para a escolha dos candidatos à sucessão presidencial. Começa, agora, a campanha eleitoral. É chegado o momento da exposição dos candidatos ao julgamento da Nação. De suas ideias. E, também, da coerência entre o que dizem e os atos praticados no passado. Entre a imagem que pretendem transmitir e a sua história de vida. A hora da opinião cessa para dar lugar à hora do julgamento. Não é hora de construir imagens, mas de expor o candidato por inteiro. A moral determina e o momento acentua a exigência, que se concilie a política com a verdade. Meu compromisso permanente, de que é evidência minha própria vida, é com a verdade e sobre ela hei de ancorar minha campanha. Jamais fiz, não faço e não farei nenhum tipo de concessão de natureza eleitoral. Não me submeterei a um esforço artificial de criação de atos ou fatos, a qualquer jogo de aparência, ou a truques de persuasão publicitária. Apresento-me ao povo brasileiro sem maquiagem, frente a frente, como sempre fiz, para poder olhar e ser olhado nos olhos. A verdade será sempre a minha arma política. Minha candidatura não está colocada como produto para capturar emoções fabricadas no mercado. Mas sim como uma proposta de reforma radical do Estado e da sociedade, dirigida à consciência e à razão dos brasileiros. Não nego que aceitei com entusiasmo minha indicação. Achei que era um dever candidatar-me para colocar a serviço do País a experiência e a visão que me proporcionaram as funções públicas que exerci ao longo da vida. Candidato que sou à Presidência da República, assumo a responsabilidade de expor nossos princípios e objetivos, contrapondo-os às meias-verdades, às definições vagas e a dilemas ideológicos superados pela História. O PSDB tem um programa consistente e factível para o Brasil. Um programa fundamentado nas ideias básicas da mais vitoriosa experiência política do pós-guerra: a social-democracia. Esse programa reflete as aspirações mais profundas do povo brasileiro. Ele será o fundamento de nossa prática de governo, superando alternativas impostas pelo imobilismo, pelo medo às mudanças e por compromissos escusos com o passado. Tomamos a decisão de marchar rumo a um país renovado, que ingresse numa nova era. Sem ambivalências. Sem temor de ousar. Sem concessões à demagogia irresponsável. Faço este pronunciamento nesta Casa como afirmação de respeito a todos os Estados da Federação, que têm no Senado seu foro político mais representativo. Sou um político. Compreendo a função política na democracia como o instrumento mais eficaz para a transformação e aperfeiçoamento das estruturas sociais. Fui dela afastado, compulsoriamente, pela ditadura. A ela voltei pelo único caminho legítimo: o voto popular. Asseguro, sem vacilação, que é possível conciliar política e ética, política e honra, política e mudança. Sr. Presidente, Srs. Senadores, não aceito a visão pessimista dos que não veem saída para a crise. O Brasil real, hoje não justifica a imobilidade, o desânimo, nem o desespero. Temos um dos maiores parques industriais do mundo, uma infraestrutura econômica considerável, dispondo de tecnologia de ponta, uma agricultura em rápida expansão, rasgando novas fronteiras. Temos terras abundantes e grandes reservas minerais. Temos uma força de trabalho imensa e competente, um empresariado dinâmico e ousado. Em síntese, um sistema econômico consolidado e com capacidade de poupar e investir. O País é forte, mas vem sendo agredido duplamente: de um lado, por crescente degradação da infraestrutura, causada pelo esgotamento da capacidade de investimento do Estado e pela brutal sangria da dívida externa; de outro, pela escalada da inflação, que desorganiza a economia, concentra sempre mais a renda, premia a especulação, deprime os salários reais e a receita pública. O País está embriagado por uma cultura inflacionaria. Muitos sequer a combatem porque dela se beneficiam. É por isso que a inflação persiste ameaçando devorar nosso presente de democracia e nosso futuro de desenvolvimento. Combatê-las sem tréguas é precondição para reorganizar as finanças internas e reestruturar a nossa articulação com o mundo. No mundo contemporâneo, que avança por grandes saltos tecnológicos e organizacionais, cada década representa um século a ser ganho ou a ser perdido. Está nas mãos desta geração promover esse salto. Ou o faremos logo, ou retrocederemos. Proponho ganharmos juntos, na próxima década, um século de prosperidade, com justiça social. Para isso é preciso ter claro o rumo. Sou candidato a suceder o atual Presidente. Pergunto-me o que faria se estivesse hoje no cargo. Fiz-me a pergunta com um teste a mim mesmo. Estou preparado para respondê-la em uma frase: exerceria plenamente a autoridade inerente ao cargo. O País precisa e está ansioso para ter governo. Eleito, exercerei a autoridade sem autoritarismo, com base na legitimidade conferida pelo voto popular, com a credibilidade dos que conhecem o valor da palavra pública e o sagrado compromisso que ela envolve. Convocarei para os ministérios e para os altos cargos os homens e mulheres experientes, honestos e capazes. Com eles reconstruiremos o Brasil. Jamais nomearei alguém pelo fato de ser meu amigo ou amigo de meus amigos. (Palmas) Sr. Presidente e Srs. Senadores, não basta, entretanto, que o Presidente construa seu governo inspirado pelos mais altos padrões da moralidade. Precisamos situar-nos diante das opções que se abrem ao País para enfrentar as transformações que ocorrem no mundo e entre nós. Nestas duas últimas semanas a opinião pública internacional assistiu ao drama da China. A abertura econômica sem prévias reformas democratizadoras levou aquele grande país à confrontação. Enquanto isso a União Soviética realiza reformas em sua estrutura política, como precondição para os saltos econômicos. O mundo está cada vez mais unificado, com a Europa elegendo mais uma vez seus parlamentares para o governo da comunidade e com discussões até sobre a unificação da moeda e do câmbio. De outro lado os Estados Unidos se integram com o Canadá e reforçam seus liames com o Japão e mesmo com o México. Com essa reorganização geopolítica e econômica do mundo, o sistema financeiro internacional, baseado em Bretton Woods, terá de ceder espaço a uma nova organização econômica e política. O Brasil não pode permanecer cego e insensível às mudanças que ocorrem. Em face dessas transformações o Brasil tem propostas a formular e deve participar com força das negociações. Pensando nesses problemas, refleti muito estes dias para dizer-lhes: confio no País e em nossa capacidade de decisão. Por isso mesmo, continuei andando pelo Brasil afora, ouvindo e vendo, ao invés de ir ao exterior buscar conselhos e medidas salvadoras. (Palmas) Nosso programa e nossas propostas tomam em conta o que está ocorrendo no mundo, mas são o resultado de um esforço próprio, dotado de autonomia intelectual. Não devemos dirigir-nos à opinião pública internacional nem em termos de queixas nem de submissões. Devemos isso sim, posicionarmo-nos com independência crítica como um país que sabe o quanto, hoje, as nações devem ligar-se umas às outras até ao ponto de podermos sustentar uma espécie de Constituição mundial na qual os direitos dos povos do universo estejam assegurados sem engolfar os legítimos interesses de cada país. É duro contrastar as necessidades de opções lúcidas para o futuro com as angústias do presente: é a bolsa que estoura, aumentando o temor dos que hoje se refugiam nos títulos da dívida pública como dique aparentemente seguro diante da corrosão inflacionaria. É a hiperinflação que deixou de ser um conceito para ser o pão nosso das agruras cotidianas de todo mundo. É o Plano Verão que se esboroa sem deixar saudades. É a economia que volta à indexação, sem indexar os salários, o que é inaceitável. (Palmas) Mas não posso deixar de lhes dizer, Srs. Senadores, que não basta considerar a conjuntura para responder o que se faz quando se é governo. Um estadista tem o dever de conhecer a direção para a qual a sociedade deseja caminhar. Ser nacionalista, hoje, é defender uma política nacional de desenvolvimento. Não é hora de se querer simplesmente reformar o passado, nem de se conformar com o presente. É a hora de atualizar objetivos antecipando o futuro. O verdadeiro nacionalismo impõe a capacitação do País para a competição internacional e a defesa da nossa parte na "renda mundial". Não faz sentido isolar o País numa autarquia. Ele deve participar da nova ordem política mundial. E esta supõe os "direitos humanos das nações" e não apenas dos indivíduos. Uma nação não pode ser torturada por outras, negando-se-lhe acesso aos mercados, aos conhecimentos dos processos produtivos ou obrigando-a a dispor de seus recursos para pagar dívidas extorsivas, ao invés de fazer novos investimentos. O Brasil precisa importar mais do que faz atualmente. Não podemos ser a 25ª nação exportadora e, ao mesmo tempo, exibir o terceiro superávit comercial, ultrapassado apenas pelo Japão e Alemanha. Temos que exportar bastante para importar bem mais do que hoje, a fim de aumentar a produção interna, trazer tecnologia moderna e aliviar as finanças do governo. Um governo sério e competente, com o respaldo de toda a Nação, reduzirá drasticamente a sangria representada pela transferência de parte considerável da receita tributária para o pagamento da dívida. (Palmas) Serão bem-vindos investimentos estrangeiros, dentro das normas constitucionais e nos marcos de uma nova política industrial, tecnológica e de desenvolvimento. Do exterior, o Brasil quer meios de produção, quer sócios e não credores. Nesta década perdida aconteceu o contrário. Nossa dívida externa aumentou 130%, em boa parte por causa dos juros flutuantes e perdemos cinco bilhões de dólares de investimentos, pela diminuição do ingresso e aumento das remessas e repatriações. Daremos passos ousados para atrair capitais de risco, desenvolvendo nosso comércio exterior e aliviando a dívida. Hoje, com a aceleração das transformações tecnológicas, geopolíticas e culturais que o mundo está atravessando, a opção é manter-se na vanguarda ou na retaguarda das transformações. É com esse espírito de vanguarda que temos que reformar o Estado no Brasil. Tirá-lo da crise, reformulando suas funções e seu papel. Basta de gastar sem ter dinheiro. Basta de tanto subsídio, de tantos incentivos, de tantos privilégios sem justificativas ou utilidade comprovadas. Basta de empreguismo. Basta de cartórios. Basta de tanta proteção à atividades econômicas já amadurecidas. Mas o Brasil não precisa apenas de um choque fiscal. Precisa, também, de um choque de capitalismo, um choque de livre iniciativa, sujeita a riscos e não apenas a prêmios. (Palmas) Zelaremos pela moeda nacional que, em face da sua degradação, já foi substituída duas vezes na Nova República e caminha para a terceira mudança. A queda da inflação trará a melhoria da arrecadação de impostos. Não é preciso elevar alíquotas mas, sim, combater a sonegação, eliminar favores e privilégios tributários. Há hoje setores que se quer pagam impostos. Agiremos com firmeza. O Estado brasileiro cresceu demasiadamente como produtor direto de bens, mas atrofiou-se nas funções típicas de governo. Vamos privatizar com seriedade e não apenas na retórica. Vamos captar recursos privados para aumentar os investimentos de empresas públicas estratégicas e rentáveis. Vamos profissionalizar a direção das estatais, estabelecer um código de conduta. Metade da nossa indústria está atrasada tecnologicamente. Importamos pouquíssima tecnologia - talvez nem um vigésimo do que gastamos com turismo externo registrado e não registrado. Temos que inverter essa situação. Não podemos permitir que o futuro seja a grande vítima do presente. Sabem, os que me ouvem, que a produção agrícola, nesta década, cresceu anualmente per capita a um ritmo menor do que entre 1947 e 1980? Há muito a fazer. Dobrar a produção agrícola numa década é a nossa meta. Isso requer intensificação nas pesquisas, irrigação, armazenagem e transportes. Além de preços para os que produzem e impostos fortes para os que não produzem, deixando suas terras subtilizadas. (Palmas) Ao lado disso, implantarei a reforma agrária como um grande programa social, assentando na terra os que precisam e podem trabalhar nela. Nosso povo quer e precisa consumir cada vez mais, o que é natural, necessário e correto. Mas isso, só pode acontecer se aumentarmos, sem parar, máquinas, estradas, hidrelétricas, casas. O investimento precisa de financiamento a longo prazo, pois no mais das vezes requer muito tempo para oferecer retornos. E isto vamos fazer: organizar os financiamentos de longo prazo para o desenvolvimento. Juntos com financiamento, a expansão econômica sustentada requer tecnologia e recursos humanos qualificados. Esta será a nossa maior prioridade. Vamos mobilizar o Estado para a revolução educacional que o Brasil necessita. Não é uma vergonha que apenas 20% dos adolescentes de 15 a 19 anos de idade frequentem escola secundária? Meu governo terá sempre presente que o professorado está cansado de ser explorado sob o pretexto de que ensinar é um sacerdócio. (Palmas) Não. É uma profissão e profissão fundamental para o desenvolvimento do País. Os gastos com o ensino não podem ser considerados 'de custeio', eles constituem investimento e tão vital para o crescimento econômico como qualquer outro investimento produtivo. O Brasil é gente. São 140 milhões de pessoas. A Bandeira Nacional simboliza essas pessoas e não apenas um território. Não há maior sentimento de revolta do que se ver brasileiros vivendo com condições subumanas. Tão importante quanto manter um metro de fronteiras é manter uma vida humana. A defesa do ecossistema é a defesa da própria vida, não apenas vegetal ou animal, mas da vida humana. Uma cidade, uma civilização ecológica assegura não apenas 'o verde', mas a sobrevivência humana com um padrão de dignidade. Não se pode opor os interesses universais de preservação do meio ambiente aos da soberania nacional, até porque só existe soberania quando há uma população com condições para sobreviver com dignidade e, portanto, apta a preservar a espécie e senhora dos mecanismos, que permitam a reprodução da vida. Para mim, a defesa intransigente da ecologia é a mesma coisa que a defesa soberana da preservação do Brasil, como uma comunidade de pessoas capazes de conviver harmonicamente entre si e com o meio circundante. Senhor Presidente e Srs. Senadores, gostaria de retomar a afirmação sobre a necessidade de as reformas políticas antecederem ou, pelo menos, acompanharem as reformas econômicas e sociais para dotar o País de governabilidade. Não basta que o Presidente exerça legitimamente a autoridade que o voto popular lhe confere. É preciso que façamos com coragem reformas políticas que assegurem governabilidade e institucionalização da democracia. A primeira delas é a introdução do parlamentarismo. (Palmas) Nos moldes previstos pela Constituição: através do plebiscito e com uma simultânea reforma administrativa que assegure a permanência de um corpo de funcionários concursados para dar continuidade à administração. Trago o compromisso pessoal e partidário no sentido de propor ao Congresso Nacional a antecipação do plebiscito de modo a que o próximo Congresso seja eleito sob a égide do parlamentarismo, a ser implantado no ano de 1991. (Palmas) Até lá, a reforma administrativa estará em vigor. Ao lado dessas medidas impõe-se a revisão dos sistemas partidário e eleitoral. Isso será feito garantindo a proporcionalidade exata da representação dos partidos minoritários associados aos modernos mecanismos de voto distrital misto. Governo moderno, Srs. Senadores, é governo capaz de descentralizar a administração, dando maior responsabilidade, ao lado de mais recursos, aos Estados e Municípios e que se apoie nas formas institucionalizadas de participação popular. O objetivo de meu programa de governo é preparar o País para um verdadeiro processo de democratização da sociedade. O escárnio, o escândalo que a enorme concentração de renda representa, tem um alto custo: impede que a democracia seja um valor consensual na sociedade. Não é preciso dar exemplos. Ou revertemos na próxima década os indicadores sociais negativos e as perdas de poder real de compra dos salários ou não nos enganemos, o fantasma dos demagogos, dos ditadores do autoritarismo ganhará corpo. E mais: não há economia moderna capaz de competir, internacionalmente, sem um mercado interno também forte, sem consumidores e sem um povo educado, reivindicante e capaz de ser, ele, o fator primordial do progresso tecnológico. Desigualdade não se corrige com estagnação. Corrige-se redistribuindo a renda e crescendo ao mesmo tempo. O Sr. Maurício Corrêa - Permite-me V. Ex. um aparte, nobre Senador Mário Covas? O Sr. Mário Covas - Com prazer, ouço o nobre Senador Maurício Corrêa. O Sr. Presidente - (Nelson Carneiro. Fazendo soar a campainha) - Peço ao nobre Senador Maurício Corrêa seja breve no seu aparte, porque o orador já esgotou o seu tempo. O Sr. Maurício Corrêa - Perfeitamente. Nobre Senador Mário Covas, ouço o discurso de V. Ex. com grande prazer. Posso não concordar com muitas das facetas dos temas levados, das propostas. Entretanto, devo dizer que V. Ex. tem um passado que honra esta candidatura pelo que V. Ex. desempenhou, ao longo de toda Constituinte. Sou testemunha instrumental disso. Devo dizer que V. Ex. se credencia como candidato pela expressão que significa no mundo político brasileiro, haja visto o que resultou da última eleição, consagrando-o como o mais votado dos candidatos ao Senado no Brasil. Por outro lado, devo dizer que V. Ex. tem mais do que tudo, tem o conceito ético do dever político. Não traz na sua saga o oportunismo. Pelo contrário, é um homem que se coloca, que se justapõe, neste momento, como candidato autêntico. Por isso mesmo, eu me permito, ainda que tenha um candidato pelo qual vou lutar até o final, com tudo isso, eu me permito, neste instante, neste breve aparte, dizer que V. Ex., pelo seu passado, pela sua honradez, pela sua dignidade, vai emprestar a essa disputa no dia 15 de novembro um padrão ético altíssimo tal qual registra todo o seu passado. Era isso que queria dizer a V. Ex. (Palmas) O Sr. Mário Covas - O Senador Maurício Corrêa valoriza as nossas eventuais discordâncias que, tenho certeza, são extremamente pequenas. Honra-me muito o seu aparte, sobretudo tenho em vista a sua origem. E se já não tivesse dezenas, centenas, milhares de razões para responder por essa conduta, levo ao acervo de responsabilidade o aparte que acabo de receber, com um enorme, um profundo estímulo a uma luta da qual, nem o senador, nem eu próprio, nunca nos apartaremos. O Sr. Jarbas Passarinho - Permite V. Ex. um aparte? O sr. Mário Covas - Ouço o aparte do nobre senador Jarbas Passarinho. O sr. Jarbas Passarinho - Acho que o Senado fica a dever a V. Ex. este gesto: V. Exª escolheu esta Casa para o seu discurso e, tanto quanto sei, é o primeiro que ouço com a plataforma completa daquilo que pretende fazer. V. Ex.ª disse que vai pautar sua conduta pela pregação da verdade. Estimo que seja extremamente feliz nessa conduta, porque todos nós recordamos que, há quase dois mil anos, Pôncio Pilatos perguntou o que era a verdade. E ela está em suspenso até hoje como resposta. V. Ex.ª disse, também, que não fará maquiagem, que não fará concessões. Eis um caminho árduo, difícil, num país que, infelizmente, ainda não está suficientemente politizado para poder distinguir a conduta ética da conduta dos aproveitadores. Estimo que V. Ex.ª seja feliz e que prove que este Brasil já pode receber mensagens desta natureza e responder afirmativamente a elas. Não é o momento, inclusive pela coação regimental, pela voz de nosso presidente, que o aparte possa ser mais longo. Eu gostaria, apenas de pinçar um ponto da plataforma de V. Ex.ª para, com ele, me solidarizar inteiramente: quando V. Ex. colocou, com uma visão realmente de estadista, que a aplicação de recursos na educação não deve ser entendida como despesa ou custeio, mas eu diria até como pré-investimento e que V. Ex.ª seja feliz, se chegar ao Palácio do Planalto, sabendo que é melhor investir no processo de maturação de 14 anos, do que em uma ponte, do que em uma estrada, do que naquilo que normalmente os homens fazem quando chegam ao poder, para por seu turno receberem a resposta popular mais rápida. Que V. Ex.ª seja feliz (Muito bem! palmas). O sr. Mário Covas - Agradeço muito ao nobre senador Jarbas Passarinho pelo generoso aparte que, certamente nasce de uma amizade que eu cultivo com muita satisfação e de longa data, e com uma admiração que faço questão de sempre reafirmar. Entendo que a melhor forma de afirmar esse compromisso com a verdade é declarar com humildade que esta é a minha verdade. E para que me credencie a defender a minha verdade. Começo por manifestar a humildade de saber que existem outras verdades e que elas são tão sustentáveis quanto às minhas e que a única razão pela qual um homem, um democrata passa a ter o direito de defender a sua verdade é exatamente o respeito que ele manifesta pela alheia. De forma que a todos os companheiros do Senado, àqueles que comigo comungam ou àqueles que de mim divergem, eu desejo declarar desde logo que o meu primeiro compromisso com a verdade começa por reconhecer a dimensão e a prerrogativa da verdade alheia. O Sr. Divaldo Suruagy - Senador Mário Covas. V. Exª me permite um aparte com a anuência do nosso presidente? O Sr. Mário Covas - Ouço V. Exª, com muito prazer. O Sr. Presidente (Nelson Carneiro)- A Mesa solicita ao aparteante que seja breve, exatamente para possibilitar que haja maior número de aparteantes. Senão, chegaremos a um momento em que teremos que interromper a intervenção dos colegas. O Sr. Divaldo Suruagy - Senador Mário Covas, sou daqueles que acreditam que a verdade sempre predominará sobre a mentira. E como V. Ex.ª coloca como tônica maior aquilo de que este País esta carente, que é a verdade dominando sobre falsas mensagens, merece, neste instante, o respeito não apenas do Senado da República, Casa que V. Ex.ª dignifica com a sua atuação, V. Ex.ª dignifica a atividade política, tão desgastada nos dias de hoje. V. Exª é um exemplo de que a política pode ser feita com dignidade. O Sr. Mário Covas - Agradeço muito o aparte do senador Divaldo Suruagy. Muito grato pela manifestação e, sobretudo, pela referência de natureza pessoal. É para mim extraordinariamente honroso, receber de companheiros de tão diferentes partidos, a solidariedade na intenção, a solidariedade no objetivo, ainda que eventualmente possa haver divergência na proposta. O Sr. Humberto Lucena - Permite V. Exª um aparte? O sr. Mário Covas - Pois não. O Sr. Humberto Lucena - Sinto-me bem em ouvir o discurso de V. Exª, e em constatar - o que não é surpresa para mim- que V. Exª continua sendo, na política, aquele homem com "H" maiúsculo que conheci nos idos de 1968, quando tive a honra e a ventura de ser o seu 1º vice-líder, na hora em que V. Ex.ª comandava a bancada do MDB, na Câmara dos Deputados. E lembro bem que me coube a coordenação da sua escolha. Na época, V. Exª vinha de um pequeno partido. Diante da disputa que se instalou, na frente, que era o MDB, a trincheira de resistência ao autoritarismo de então, descobri em V. Ex.ª o nome de consenso que, com tanta dignidade pessoal e política, soube se comportar naquele episódio histórico da vida brasileira. V. Exª, como bem acentuou o nobre líder Jarbas Passarinho, tem a postura, nesta tribuna de um estadista e o Brasil precisa como nunca de estadistas. Tenho certeza, nobre senador Mário Covas, de que V. Ex.ª, com a sua candidatura à presidência da República, independente do partido a que pertença, coloca muito alto o nível do debate que há de se travar na sucessão presidencial da República. E a mim me parece, salvo melhor juízo, que apesar de todos os resultados de pesquisas já publicados, quem vai dar o tom da sucessão é justamente o debate. O eleitor brasileiro, o homem comum do povo, quer saber, de cada candidato, quais são as suas propostas para tirar o Brasil dessa crise que aí está, dessa crise econômica, moral, social, política e cultural. E V. Ex.ª, com humildade que o caracteriza, mas, sobretudo, com seu patriotismo e com a sua competência, trouxe as suas ideias e mostrou-as ao Brasil através da mais alta tribuna do Congresso Nacional. Creio, senador Mário Covas, que as nossas divergências não são substantivas, mas apenas adjetivas. Eu V. Ex.ª e outros companheiros que aqui estão, no Senado e na Câmara, somos oriundos do mesmo berço político, pois viemos do MDB e do PMDB, Nós portanto nos parecemos. Mas o importante é que V. Ex.ª se parece com o Brasil e com o seu povo. Meus parabéns. (palmas) O Sr. Mário Covas - Obrigado. Gostaria de agradecer ao nobre senador Humberto Lucena. Ele e eu fomos protagonistas, certamente, de uma das maiores invenções já ocorridas neste Congresso. Foi a primeira na história deste Congresso, em que o líder era o primeiro vice-líder, e o primeiro vice-líder era realmente o líder da bancada. De forma que agradeço não apenas o convívio daquela época quando, simultaneamente, encetamos uma série de lutas juntos, mas o convívio, Sr. Presidente, antes de tudo, e o motivo de profunda honra para mim. O Sr. Fernando Henrique Cardoso - Permite-me V. Ex.ª um aparte? O sr. Mário Covas - Com todo o prazer. O Sr. Fernando Henrique Cardoso - Gostaria de expressar ao senador Mário Covas, pela bancada do PSDB, a nossa alegria de estarmos aqui escutando esse pronunciamento. Não trouxemos trajes de astronautas, mas tenho certeza que V. Ex.ª, a esta altura, "voa" como um tucano, mas um tucano estratosférico (palmas), faz um discurso de estadista e, o que é mais importante, levanta vôo, sabendo o plano de voo - sabe o rumo e o rumo é o melhor para o Brasil. O que disse V. Exª é o que todos nós pensamos. (palmas) O sr. Mário Covas - Fico muito grato, senador Fernando Henrique Cardoso, em cujas palavras vejo a identidade do companheiro de partido, do formulador permanente e , mais do que isso, do amigo de sempre. Continuo, sr. Presidente! São estas as diretrizes de nossa proposta, delas não me apartei durante a campanha e no exercício do mandato, se a tanto for levado pelo eleitorado, como espero. Por fim, uma palavra a questão da ética na política. Nessa matéria, o ideal seria nem precisar falar: ética, deve revelar-se na conduta, sem maiores questionamentos. Graças a Deus, na minha longa carreira pública, nunca precisei, sequer, prestar explicações sobre a moralidade de qualquer de meus atos: ninguém jamais duvidou dela. Pretendo, como presidente, continuar assim. E cobrarei de forma inflexível, idêntica conduta de todos os colaboradores. Prossigo. Há dois dias, o PSDB completou um ano. Nesse período, organizamos o partido. Partido com convicções, partido que definiu um programa, partido que reflete na sua postura a indignação de um povo cansado de tanta corrupção, de tanto desgoverno, de tanta incompetência. Não queremos apresentar uma candidatura baseada apenas na força de uma pessoa ou de intenções indefinidas. Jogamo-nos na campanha sustentando o que somos e o que faremos. Com toda clareza e convicção. A hipoteca que pesa sobre a nação, representada por tudo o que de passado contém nosso presente - a dívida externa - a dívida interna e a imensa dívida social - será, por nós resgatada nas ações comerciais de governo, no trabalho pela pátria e pelo fortalecimento da gente brasileira. Este, o nosso compromisso, pessoal e coletivo. Repleto deste antigo e tão eterno sentimento de patriotismo, levanto meu olhar para além do horizonte do cotidiano conturbado e reafirmo a mais profunda crença no Brasil e nos brasileiros. Vamos juntos, fazer do Brasil a terra da esperança renovada! E que a sociedade brasileira possa frutificar no caminho da dignidade, do desenvolvimento e da democracia.

(Muito bem! Palmas prolongadas. O orador é cumprimentado)